• slide1

Quem Somos

Centro de excelência no tratamento da halitose

O Centro de Excelência no Tratamento da Halitose - CETH - é voltado à discussão e desenvolvimento de pesquisas sobre o tema de Halitose. 

Como sabemos, a Halitose é um campo relativamente novo de estudos que vem crescendo no ambiente odontológico com grande destaque na mídia. O tema ainda é pouco explorado, mas tem um significativo apelo social e comportamental.

pic

O CETH desenvolveu um conceito de tratamento da Halitose, utilizando pesquisas e tecnologias de última geração que, agora, disponibilizaremos para os profissionais de saúde.


Material de Apoio

Adenóides

Adenóide (AO 1990: adenoide) é o nome dado à hiperplasia (aumento de tamanho) das tonsilas faríngeas. A tonsila faríngea faz parte do chamado Anel Linfático de Waldeyer. É uma formação linfoide que cerca as cavidades nasais e bucais para a garganta, estando localizada na parede posterior da nasofaringe, região que serve como passagem do fluxo aéreo nasal, caixa de ressonância na fala e é o local de abertura das tubas auditivas. Ela normalmente aumenta de tamanho (junto com aumento das amígdalas) durante a infância em resposta a estímulos antigênicos, tais como infecções virais e bacterianas, alimentos, alérgenos e irritantes ambientais, sendo que, na maioria das pessoas, involui durante a adolescência.

As queixas relacionadas às adenóides ou às amígdalas estão entre as mais comuns encontradas na população em geral. O indicador mais significativo de obstrução nasal produzida pelas adenóides é a respiração pela boca, cuja imagem clássica é a da criança que dorme com a boca aberta, ronca e baba no travesseiro. Estão associados com o quadro:


• Distúrbios do ouvido secundários à obstrução do óstio da tuba auditiva (otites médias secretoras ou supurativas agudas), os quais podem manifestar-se por diminuição da audição, dor de ouvido, febre e choro;

• Respiração bucal de suplência com os problemas que dela advêm: rinites, sinusites (conseqüência da obstrução nasal), rouquidão e faringites;

• Distúrbios de fonação, em que não há emissão de sons nasais (rinolalia clausa);

• Alteração, na criança em crescimento, dos padrões anatômicos, determinando problemas ortodônticos de má oclusão, palato ogival, prognatismo e outras anomalias nos traços faciais que levam à fascies adenóide, caracterizada por face alongada, boca aberta, olheiras, palato ogival, protrusão dental e hipoplasia de maxila.

O aumento de volume adenotonsilar é a causa mais comum de apneia obstrutiva do sono na criança, definida como parada da respiração por, no mínimo, 10 segundos). Esta relaciona-se com a retenção de CO2, o que determinará retardo no crescimento, debilidade no status físico e psicológico da criança, hipersonolência diurna, cefaléia matinal, sono agitado e enurese (em crianças que já tinham adquirido o controle miccional). As adenoides apresentam-se com mais frequência entre os 4 e os 7 anos.


O raio X de cavum define o grau de obstrução à passagem do ar pela rinofaringe por meio da presença do tecido linfóide aumentado. Atualmente, pela disponibilidade de fibras ópticas flexíveis, a endoscopia nasal pode ser utilizada para esse diagnóstico por meio da visão direta da tonsila faríngea na coana e do grau de obstrução da mesma.


A cirurgia para remoção das adenoides é chamada adenoidectomia, sendo realizada por um médico otorrinolaringologista.

Causa do Mau Hálito

No rinofaringe podemos ter adenóides crônicas (pólipos), provocando atresias, ozena, durante os diversos períodos de infecção.

Nas adenóides, inflamadas ou não, ocorre a retenção e decomposição de matéria orgânica, freqüentemente agravada pela respiração bucal.

Afta

Afta (ou estomatite aftosa) caracteriza-se por áreas de erosão (com rompimento do tecido epitelial e exposição do tecido conjuntivo) em qualquer local da cavidade bucal. Geralmente ocasiona reação inflamatória de intensidade leve ou moderada associada a dor, por expor o tecido conjuntivo (e suas terminações nervosas) em contato direto com o meio bucal.

Pouco se conhece sobre a etiopatogenia das aftas. É uma manifestação comum a diversas doenças, causada por mecanismos distintos, geralmente de natureza imunológica. Geralmente a lesão regride de 1 a 2 semanas (mas pode persistir por um período incerto).

Eventualmente, alimentos e frutas ácidas como o abacaxi e o limão, assim como temperos picantes, podem funcionar como possíveis indutores da formação de aftas. Outros fatores também podem causar ou contribuir como: doenças sistêmicas, imunopatias, deficiências nutricionais, alergias, estresse, doenças auto-imunes e reações a determinados tipos de medicamentos.

Causa do Mau Hálito

Em geral as aftas raramente pioram o hálito. No período de ardência pelas aftas costuma ocorrer aumento de salivação e consequentemente uma melhora do hálito.


Alergia

A Alergia é uma resposta exagerada do sistema imunológico a uma substância estranha ao organismo, ou seja, uma hipersensibilidade imunológica a um estímulo externo específico.

Os portadores de alergias são chamados de “atópicos” ou mais popularmente de “alérgicos”.

Causa do Mau Hálito

A alergia provocada por fatores ambientais geralmente afetam as vias respiratórias com excesso de produção do muco ou alteração em sua característica normal que provoca estase e putrefação local (ou não). Esse excesso de produção de muco, em geral, acontece por razões alérgicas, muitas vezes difícil de ser controlada de forma mais definitiva.

Quando o excesso de muco se contamina com microorganismos sobrevem a halitose. Essa situação pode estar associada ou não a sinusopatias crônicas.

No caso da rinorréia posterior valem todas as informações para a rinorréia anterior, embora o paciente nem imagine que se trata de um corrimento nasal posterior. Em geral ele relata que engole uma saliva “grossa” e que muitas vezes parece que vai afogá-lo. Acha que esta saliva “grossa” cheira muito mal e tem gosto ruim. Esse muco realmente dá sustentação alimentar para a flora bacteriana patogênica capaz de produzir halitose.


Amigdalite

Tonsilite (popularmente conhecida como amigdalite) é uma inflamação nas tonsilas palatinas (popularmente chamadas de amígdalas), que pode ter diversas origens, como uma infecção por estreptococos ou uma infecção viral.

Quando bacteriana (ou seja: causada por bactérias), poderá haver uma inflamação das tonsilas e a formação de placas de pus nas mesmas.

A tonsilite bacteriana é tratada mais comumente com antibióticos como a amoxicilina. A tonsilite viral (ou seja: causada por vírus) não requer tratamento. Apenas o tratamento sintomático basta, tendo em vista que a tonsilite viral possui um ciclo natural, a cura ocorrendo em poucos dias.

Causa do Mau Hálito

É mais comum a hiposalivação provocar amigdalite do que a amigdalite provocar halitose. De qualquer forma, uma boa medida é a embrocação das amígdalas (ou gargarejo) com digluconato de clorexidina 0,12% a cada 12 horas por 2 a 3 dias.

Bebidas Alcoólicas

Diferentemente de outros povos, o Brasileiro é um povo festivo e gosta de comemorações. A bebida sempre é vinculada a um evento e, por mais que se diga, esse hábito é milenar. O vinho já era consumido desde o início das civilizações. Contudo todos estão cientes dos males causados pelo excesso de bebidas Alcoólicas. Um dos efeitos imediatos de bebidas alcoólicas é a alteração do hálito.

Causa do Mau Hálito

As bebidas alcoólicas aumentam a descamação, a saburra e o hálito. Também alteram a flora intestinal aumentando consequentemente a putrefação intestinal. É muito importante evitar o uso durante o tratamento com antibióticos, em especial o metranidazol (Flagyl) porque pode provocar reação do tipo antabus.

Além disso, o uso freqüente de bebidas alcoólicas pode induzir a formação de carcinomas bucais.

Boca Amarga ou Disgeusia

Disgeusia é a distorção ou diminuição do senso do paladar. Está associada a deficiência de zinco e alguns medicamentos para hipertensão ou contra a ansiedade. Também é encontrada em pacientes com insuficiência renal severa.

Causa do Mau Hálito

A boca amarga pode acontecer por várias causas:

a) hipoglicemia
b) presença de saburra lingual
c) baixa salivação
d) deficiência de zinco na dieta
e) estado de depressão
f) alterações hepáticas

No caso de identificação de hipoglicemia podemos dar as orientações para a correção ou fazer o encaminhamento para o médico. Estados de depressão e suspeita de alterações hepáticas também se deve encaminhar para uma avaliação médica.

Boca Seca

A sensação de boca seca que pode ser confirmada ou não pelo exame de sialometria. A sialometria é um exame usado para mensuração salivar. Há diferentes métodos empregados na prática otorrinolaringológica que podem dosar a produção total de saliva ou a produzida individualmente por cada glândula salivar. Assim, tentamos estabelecer, de modo objetivo, se realmente o paciente apresenta um baixo fluxo salivar, ou não, caracterizando a xerostomia.

Podemos encontrar paciente com queixa de boca seca e na sialometria verificamos que o fluxo salivar está dentro da normalidade.

Causa do Mau Hálito

Nesse caso podemos mencionar algumas razões principais:

a) falta de função das glândulas salivares menores (labiais);

b) saliva com baixa concentração de mucina que dá uma sensação de baixa lubrificação;

c) respiração bucal.

Bruxismo

O bruxismo corresponde a movimentos involuntários de mordida e/ou apertamento e empurramento que o paciente desenvolve durante o sono. O bruxismo, hábito de apertar e ranger os dentes é comum em cerca de 15% das pessoas.

Esses pacientes podem sofrer fortes dores de cabeça, desgaste dos dentes e distúrbios da articulação mandibular. As causas deste problema podem ser a tensão emocional e o fechamento inadequado da boca.

Estes sintomas são comuns durante o sono. Ranger os dentes à noite e apertá-los durante o dia, correspondem a um problema progressivo onde o paciente perde os parâmetros e só percebe que tem bruxismo se prestar atenção na própria tensão muscular ou se alguém ouvir o ranger noturno. O diagnóstico geralmente é feito depois que surgem algumas complicações.

Causa do Mau Hálito

Paciente que faz bruxismo mostra um stress muito grande que exige tratamento com calmantes fitoterápicos e o uso de placa miorelaxante para evitar agressão aos dentes e à ATM. Isto significa que o mesmo stress é capaz de reduzir o fluxo salivar e facilitar a formação de saburra e hálito.

Cárie

A cárie dentária pode ser definida como uma destruição localizada dos tecidos dentais causada pela ação das bactérias.

A desmineralização dos tecidos dentais (esmalte, dentina ou cimento) é causada por ácidos, especialmente o ácido lático, produzido pela fermentação bacteriana dos carboidratos da dieta, geralmente a sacarose.

A baixa do pH ocasiona dissolução do esmalte e transporte do cálcio e fosfato para o meio ambiente bucal.


Causa do Mau Hálito

Realizar o tratamento das cáries e substituições de restaurações que forem necessárias.

Cáseos

O cáseo, na verdade, é uma massinha mal cheirosa que se acumula na amígdala e possui a aparência de um grão de arroz.

Quem pode tê-lo? Não existe uma estatística exata mas as pessoas que possuem uma amígdala parecendo uma saquinho com furos maiores são mais propensas a ter o famigerado cáseo.

Existem possibilidades de tratamento para quem se sente muito incomodado com este invasor, mas a higiene da língua é o principal deles. Em casos extremos, o tratamento mais radical é a remoção da amígdala.

Causa do Mau Hálito

Os cáseos são os mais problemáticos em relação ao mau hálito. Eles se formam em criptas amigdalianas que muitas vezes aparentam ser pequenas mas alojam grande quantidade de massa bacteriana, células descamadas e material de restos alimentares.

Têm um aspecto semelhante a um grão de arroz cozido, de cor amarelada ou esbranquiçada. Carregam consigo um odor muito forte. Quando o paciente se acha contaminado por microrganismos do tipo BANA positivos, eles se encontram em alta concentração também nas amígdalas. Quando as criptas amigdalianas se apresentam muito profundas e em grande quantidade poderá ser necessário a intervenção do otorrinolaringologista no sentido de realizar amigdaloplastia por laserterapia ou até mesmo a remoção cirúrgica.

Corrimento Nasal Posterior

Rinorréia (rino = "nariz" + réia = "corrimento") é o corrimento de mucosidades do nariz. É geralmente associado aos sintomas de rinite ou outras doenças respiratórias. Quando se está gripado usa-se o termo coriza, pois esse é termo associado ao corrimento nasal advindo da gripe, sendo chamado rinorréia apenas se relacionado a rinite, mas as duas palavras costumam ser usadas como sinônimas em textos não-especializados.

A rinorréia pode ser aquosa ou mucóide, mucopurulenta, quando apresenta aspecto esverdeado ou amarelado; ou sanquilenta, quando apresenta sangue juntamento com um líquido amarelo ou esverdeado.

Causa do Mau Hálito

No caso da rinorréia posterior valem todas as informações para a rinorréia anterior, embora o paciente nem imagine que se trata de um corrimento nasal posterior. Em geral ele relata que engole uma saliva “grossa” e que muitas vezes parece que vai afogá-lo. Acha que esta saliva “grossa” cheira muito mal e tem gosto ruim.

Depressão

A depressão (também chamada de transtorno depressivo maior no Brasil e perturbação depressiva major em Portugal) é um problema médico caracterizado por diversos sinais e sintomas, dentre os quais dois são essenciais: humor persistentemente rebaixado, apresentando-se como tristeza, angústia ou sensação de vazio e redução na capacidade de sentir satisfação ou vivenciar prazer. O estado depressivo diferencia-se do comportamento "triste" ou melancólico que afeta a maioria das pessoas por se tratar de uma condição duradoura de origem neurológica acompanhada de vários sintomas específicos. Ou seja, depressão não é tristeza. É uma doença que tem tratamento. Estima-se que cerca de 15 a 20% da população mundial, em algum momento da vida, sofreu de depressão. A depressão é mais comum em pessoas com idade entre 24 e 44 anos. A ocorrência em mulheres é o dobro da ocorrência em homens. As causas da depressão são inúmeras e controversas. Acredita-se que a genética, alimentação, stress, estilo de vida, separação dos pais, rejeição, drogas, problemas de diversos fatores estão relacionados com o surgimento ou agravamento da doença.


Causa do Mau Hálito

Tudo que produz grave depressão psíquica pode provocar saburra e consequentemente alteração do hálito. Em certas ocasiões, a sensação de amargor constante na boca pode ser o sintoma mais ostensivo de uma depressão, a qual aparece com clareza ao se proceder um estudo cuidadoso. Geralmente quando estes doentes comparecem à consulta insistem em atribuir o seu mal a distúrbios estomacais ou a outros males do epigástrico.

Comumente estes doentes já trazem idéia fixa sobre males gerais não identificados pelos médicos aos quais têm consultado por sua halitose continuar sem melhoras.

Descamação da Mucosa

A descamação da mucosa corresponde a uma esfoliação celular mais rápida que a metabólica e, portanto, servindo de substrato alimentar para os microrganismos proteolíticos presentes na cavidade bucal.

Muito importante é o fato de que a célula epitelial descamada ser rica em uma proteína (insolúvel) chamada queratina que é composta por aminoácidos sulfurados em grande quantidade. É à partir deles que se dá a produção dos CSV.

O paciente não costuma perceber a descamação, mas alguns mostram um lençol de epitélio se descolando e se queixam de halitose.

Causa do Mau Hálito

A mucosa descamada é um substrato importante para a sobrevivência de microorganismos proteolíticos e mais importantes ainda, por ser rica em queratina que é composta por aminoácidos sulfurados em grande quantidade. É à partir deles que se dá a produção dos CSV.

No processo de proteólise surge grande quantidade de aminoácidos sulfurados (cistina, cisteína e metionina) que vão produzir sulfidreto, metilmercaptana e dimetilsulfeto. Dependendo do tipo de contaminação (pior no caso de microorganismos BANA positivos, que são Porphyromonas gingivalis, Treponema denticola e Bacteroides forsythis – atualmente renomeado como Tannerela forsythia).

Descamação Sistêmica

Quando a descamação está relacionada com alterações sistêmicas se observa descamação também em outras regiões da pele e ou mucosa, inclusive da mucosa vaginal que se manifesta como material esbranquiçado no fundo da calcinha. Em homens convém observar também a sola dos pés.

Causa do Mau Hálito

Razões Sistêmicas:

a) Alterações Hormonais da Menstruação
b) Alterações Hormonais da Menopausa
c) Uso de Xenical e outros do Gênero
d) Uso de Óleo Mineral (Nujol)
e) Uso de Isotretinoína (Roacutan)
f) Deficiência de vitamina D

Nos casos de alterações hormonais da menstruação ou da menopausa, se necessário, encaminhar ao endocrinologista para avaliação e possível correção.

No caso do uso de Xenical (e outros do gênero), óleo mineral e isotretinoína, ver a possibilidade de suspender o tratamento.

Descamação Traumática

É a esfoliação das células epiteliais da mucosa por desidratação ou traumatismo.

Existem várias razões para a ocorrência da descamação traumática:

a) Respiração Bucal
b) Hiposalivação ou Xerostomia
c) Bruxismo
d) Mordida da Bochecha
e) Mordiscamento da Comissura Labial
f) Uso de Aparelho Ortodôntico com Braquetes
g) Uso de Bebidas Alcoólicas
h) Uso de Bochecho com Alto Teor Alcoólico
i) Fumo
j) Drogas
k) Aftas

Causa do Mau Hálito

Deve-se evitar a descamação traumática por mordida da bochecha, respiração bucal e linha de mordida. Pedir ao paciente que conscientemente evite realizar mordida das bochechas e comissura labial. No caso de linha de mordida, geralmente provocada por bruxismo, convém fazer uso de placa miorelaxante durante o sono. Com relação ao uso de aparelho ortodôntico com braquetes, deverá verificar por quanto tempo ainda o aparelho vai ser usado e explicar ao paciente que os cuidados com a higiene bucal e lingual deverão ser redobrados. Quanto ao uso de bebidas alcoólicas, bochecho com alto teor alcoólico, fumo e drogas eles devem ser evitados.

As aftas costumam desaparecer até espontaneamente em 10 a 15 dias, não há muito motivo para preocupação.

A respiração bucal deve ser corrigida, quando possível.

Existem várias razões para a ocorrência da respiração bucal noturna:

a) Relaxamento
b) Obstrução nasal mecânica
c) Obstrução nasal alérgica - mais freqüente

Quando houver obstrução nasal mecânica é necessária a consulta com um otorrinolaringologista e provável cirurgia.

Em qualquer dos casos acima se recomenda também o uso um bom lubrificante noturno. Atualmente o que temos de melhor é o Gel Umectante Halicare que deve ser aplicado em toda a boca e deixado um pouco sobre o dorso da língua, pelo menos imediatamente antes de deitar. Pode também ser usado em outros momentos durante o dia, como por exemplo, durante exercícios anaeróbicos.

Desvio do Septo

Septo nasal é a estrutura que divide o nariz em duas narinas. Formado por ossos (na sua parte posterior) e cartilagem (na porção anterior), é revestido pelo mesmo tipo de tecido que forra internamente o nariz, conhecido por mucosa nasal.

O desvio de septo provoca uma obstrução mecânica que, na maior parte das vezes, se resolve cirurgicamente.

Causa do Mau Hálito

O desvio de septo corresponde a uma obstrução mecânica que dificulta a respiração normal e leva o paciente a realizar respiração bucal noturna.

Doenças Periodontal

Doenças periodontais, incluindo gengivite e periodontite, são infecções sérias que, se não tratadas, podem causar a perda dentária. A palavra periodontal significa literalmente "ao redor do dente". A doença periodontal é uma infecção bacteriana crônica que afeta as gengivas e o osso que suporta os dentes .

A doença periodontal pode afetar um ou vários dentes. Esta doença inicia quando a bactéria presente na placa (película viscosa e incolor que constantemente se forma sobre os dentes) começa a inflamar a gengiva.

Na forma mais branda da doença, a gengivite , a gengiva se torna vermelha, inchada e sangra com facilidade. Nesta fase, há pouco ou nenhum desconforto. A gengivite é causada por higiene oral inadequada, e é reversível com tratamento profissional e uma boa higiene oral doméstica.

Há indícios que a gengivite não tratada pode evoluir para periodontite . Com o tempo a placa pode se espalhar e crescer por baixo da gengiva. As toxinas produzidas pela bactéria da placa irritam a gengiva. Essas toxinas estimulam uma resposta inflamatória crônica, onde nosso organismo se volta contra si próprio, e os tecidos e o osso que suporta os dentes são atacados e destruídos. As gengivas se separam dos dentes, formando bolsas periodontais (espaços entre os dentes e as gengivas) que se tornam infeccionadas. A medida em que a doença (periodontite) avança, as bolsas se tornam cada vez mais profundas, e mais tecido gengival e osso são destruídos. Este processo destrutivo apresenta sintomas bastante brandos. Eventualmente, os dentes podem apresentar mobilidade, e ter de ser extraídos.

Causa do Mau Hálito

Realizar o tratamento das alterações periodontais. Nesses casos, ao prescrever o uso do enxaguante, além do gargarejo o paciente deve ser orientado a realizar também bochechos.

Drogas Ilícitas e Lícitas

As drogas ilícitas são substâncias proibidas de serem produzidas, comercializadas e consumidas. Em alguns países, determinadas drogas são permitidas sendo que seu uso é considerado normal e integrante da cultura. Tais substâncias podem ser estimulantes, depressivas ou perturbadoras do sistema nervoso central, o que perceptivelmente altera em grande escala o organismo.

São drogas ilícitas no Brasil: maconha, cocaína, crack, ecstasy, LSD, inalantes, heroína, barbitúricos, morfina, skank, chá de cogumelo, anfetaminas, clorofórmio, ópio e outras. Por serem proibidas, as drogas ilícitas entram no país de forma ilegal através do tráfico que promove a comercialização negra, ou seja, a comercialização feita sem a autorização das autoridades.

Dentre as conseqüências que as drogas ilícitas trazem pode-se dar ênfase à violência gerada por elas em todas as fases de produção até o consumidor final. As demais conseqüências são: arritmia cardíaca, trombose, AVC, necrose cerebral, insuficiência renal e cardíaca, depressão, disforia, alterações nas funções motoras, perda de memória, disfunções no sistema reprodutor e respiratório, câncer, espinhas, convulsões, desidratação, náuseas e exaustão.

É importante esclarecer que a dependência das drogas é tratável, ou seja, através do auxílio médico e familiar uma pessoa pode deixar o vício e voltar a ter uma vida normal sem que necessite depositar substâncias que criam falsas necessidades no organismo e impedindo que o rendimento do organismo seja comprometido.

Muitos pacientes se utilizam de drogas lícitas e às vezes ilícitas. São consideradas drogas lícitas as bebidas alcoólicas (de todos os tipos) e o fumo (cigarro, charuto, cachimbo).

Causa do Mau Hálito

As drogas ilícitas em geral provocam redução de fluxo salivar e saburra. Evitar o espaçar o uso. Entre as drogas lícitas, o fumo compromete a descamação da mucosa (com aumento da saburra e hálito), aumenta a predisposição à doença periodontal e é cancerígeno. O seu próprio cheiro compromete o hálito. As bebidas alcoólicas também aumentam a descamação da mucosa, são cancerígenas, provocam odor próprio e provocam alterações da flora intestinal com maior putrefação e halitose.

Estilo de Vida

Consideramos como estilo de vida os horários de alimentação, de deitar, realização de exercícios físicos, horários de banho, quanto e o que como e bebe, se tem hábito de enxugar bem entre os dedos dos pés, hábitos de roer unha, morder lábios, etc.

Exercício físico – Sempre leva à hipoglicemia se não estiver alimentado. Por esse motivo convém usar uma colher de sopa de mel antes de exercício, especialmente se for do tipo anaeróbico, quando também vai ser importante a aplicação de um gel lubrificante na boca (Oral balance).

Hábito do Uso da Água - Fala-se que o ideal é tomar de 1 a 2 litros de água por dia. Trata-se de uma informação relativa, dependendo da quantidade de sal ingerida, e esta depende da quantidade e tipo de alimentação. Na verdade deve-se tomar água o suficiente para não ocorrer desidratação e consequentemente redução de fluxo salivar. Pacientes que ingerem altas quantidades de água, superior a 2 litros por dia, pode indicar diabete descompensada (hiperglicemia) ou falta de salivação, deixando a boca seca e dando mais vontade de beber água. Verificar se existe algum problema.

Horário do Banho – Existem pacientes com mania de limpeza e que chegam a tomar 6 a 8 banhos por dia. É importante observar esse tipo de paciente porque ele provavelmente nunca estará inteiramente satisfeito com o resultado do tratamento. Eles não querem não ter hálito nenhum, eles querem um hálito com odor bastante agradável. A pergunta não é feita diretamente para não induzir a resposta.

Micose e/ou Frieira – Precisam ser tratadas. É uma situação que teoricamente pode acrescentar odores ao hálito.

Esquema de Vida – Horários de se alimentar e de dormir – É importante verificar os intervalos de tempo entre uma refeição e outra (que deveria ser no máximo de 4 horas). Destas informações vamos verificar se o paciente costuma ficar algum período do dia em estado de hipoglicemia.

A demora para dormir, insônia costuma estar ligada ao stress e outras vezes podemos estar relacionadas com aspectos físicos como, por exemplo, pressão alta, fome, má digestão, obstrução nasal, etc. Quem tem obstrução nasal abre a boca, acorda várias vezes e consequentemente acorda desanimado, sem vontade de se levantar, cansado. Também pode ser o caso de sono insuficiente (menos que 7 a 8 horas).

Hábitos Inconvenientes

Os principais hábitos inconvenientes são:

  • Fumo – evitar ou diminuir o uso porque aumenta a descamação e, portanto a saburra, predispõe aumenta em 10 vezes a incidência de doença periodontal e ao câncer bucal.
  • Bebidas – as bebidas alcoólicas aumentam a descamação, a saburra e o hálito. Também alteram a flora intestinal aumentando consequentemente a putrefação intestinal. É muito importante evitar o uso durante o tratamento com antibióticos, em especial o metranidazol (Flagyl) porque pode provocar reação do tipo antabus.
  • Drogas – As drogas ilícitas em geral provocam redução de fluxo salivar e saburra. Evitar o espaçar o uso.
  • Roer unhas – junto entram células que são ricas em queratina e, portanto aumenta o substrato capaz de produzir CSV. Além disso indica um nível de stress bastante elevado e precisa ser contido, corrigido.

Como está a memória – a deficiência de memória pode ser devido à stress, preocupações e baixa salivação de longa data. Quando a glândula salivar produz saliva, produz também 2 fatores (fator de crescimento nervoso – NGF e fator de crescimento epitelial – EGF) que caem na corrente circulatória e agem nos receptores próprios. O NGF está relacionado com a memória e já tem sido isolado e usado experimentalmente no tratamento do mal de Alzheimer. Quando o paciente estiver com memória deficiente por esta razão, o tratamento para aumentar o fluxo salivar corrige também a memória.

Como está a pele – situação semelhante pode ser descrita para o EGF em relação ao tecido epitelial e, portanto, com relação à própria glândula salivar que é de origem epitelial.

O sonho é uma maneira de o cérebro processar o que aconteceu de dia e liberar as tensões. Quem não sonha é mais stressado. Também pode ser o caso do paciente sonhar e não se lembrar ou lembrar e esquecer o que sonhou. Pesadelos revelam problemas mal resolvidos que precisam ser verificados (pode requerer a ajuda de psicólogo) ou problemas de ordem física. Paciente que realmente não sonha é porque não tem a fase REM do sono, o que é muito comum em pacientes usando medicamentos controlados (soníferos).

Causa do Mau Hálito

Todos os hábitos relatados acima causam mau hálito.

Figado

O fígado é o maior órgão do corpo humano, está localizado no lado superior direito do abdômen, protegido pelas costelas. Ele produz a grande maioria de substâncias essenciais para o resto do corpo e remove as substâncias prejudiciais ao organismo. Produz a bile que é levada ao intestino delgado para se juntar ao processo de digestão. Também produz hormônios, proteínas e enzimas que mantêm o corpo funcionando normalmente. Tem participação na produção de substâncias que ajudam o sangue a coagular. Tem papel importante na decomposição do colesterol, manutenção do açúcar no sangue, e também na decomposição de medicamentos.

Entre algumas funções do fígado uma das mais importantes, e que tem relação com a halitose, é a eliminação de muitas drogas e toxinas (degradar álcool e outras substâncias tóxicas, auxiliando na desintoxicação do organismo); além da produção de triglicérides (gorduras) e conversão de amônia em uréia.

Causa do Mau Hálito

O fígado é peça fundamental na gênese das halitoses sistêmicas por alterações patológicas e também pela maior predisposição às halitoses sistêmicas por variações fisiológicas. Isto acontece porque no fígado se dá a síntese das substâncias absorvidas, através da agregação de aminoácidos, ácidos graxos, glicerol, glicose, frutose e outras substâncias de cadeias curtas, tais como foram absorvidas, e a transformação em proteínas, lipídios e carboidratos próprios do organismo. As substâncias são absorvidas em cadeias curtas, sendo, portanto, mais voláteis, o que favorece a via pulmonar de eliminação. No fígado sofrem alongamento de cadeia, com conseqüente aumento do peso molecular e do ponto de ebulição, diminuindo a volatilidade e favorecendo as vias de eliminação renal e dérmica.

O mau funcionamento do fígado impede o alongamento das cadeias, favorecendo a permanência na forma de cadeias curtas, que são voláteis e, portanto, facilmente eliminadas por via pulmonar. A deficiência hepática por hepatite, cirrose ou neoplasia leva ao aparecimento do hálito hepático, conhecido caracteristicamente como odor de terra molhada, peixe ou rato.

Num caso de alteração hepática grave o odor do ar expirado é chamado de fetor hepaticus e é descrito como "bafiento", "cheiro de rato", ou uma "mistura de ovo podre e alho", "odor de cadáver" e está diretamente relacionado com a quantidade de dimetil-sulfeto expirado.

A fonte do dimetil-sulfeto é devida à ação bacteriana sobre aminoácidos contendo enxofre. Este hálito freqüentemente é seguido de coma hepático.

Pacientes com cirrose apresentam dois mecanismos básicos para o desenvolvimento da halitose: colonização bacteriana do intestino delgado e a ação sobre as proteínas provocando aumento da produção de substâncias mau cheirosas; as interações vasculares ao redor do fígado e a incapacidade do órgão comprometido metabolizar e excretar tais substâncias fazem com que elas escapem pelo ar expirado.

Halitoses sistêmicas contínuas por processos patológicos, ou eventuais, pela introdução de fatores capazes de provocá-las, mas que dependem de predisposição por parte do paciente, são geralmente indicativas de mau funcionamento do intestino ou fígado. São muito agravadas por alimentação gordurosa ou rica em enxofre (queijo, ovos, etc.). O nível da halitose produzida ou o grau de agravamento da halitose existente, quando da ingestão de tais alimentos, pode ser auxiliar precioso no estabelecimento da etiologia da halitose.

Procurar um gatrenterologista e fazer exames de diagnóstico é o primeiro passo para se determinar o tratamento para doenças do fígado, mas alguns tratamentos indicados para doenças relacionadas com o fígado incluem: perda de peso, dieta, prática de exercícios físicos regulares e moderados, controle do diabetes, controle do colesterol e controle do triglicérideos.

Glaucoma

Glaucoma é a designação genérica de um grupo de doenças que atingem o nervo óptico e envolvem a perda de células ganglionares da retina num padrão característico de neuropatia óptica. A pressão intraocular elevada é um fator de risco significativo para o desenvolvimento de glaucoma, não existindo contudo uma relação causal direta entre um determinado valor da pressão intraocular e o aparecimento da doença — enquanto uma pessoa pode desenvolver dano no nervo com pressões relativamente baixas outra pode ter pressão intraocular elevada durante anos sem apresentar lesões.

Se não for tratado, o glaucoma leva ao dano permanente do disco óptico da retina, causando uma atrofia progressiva do campo visual, que pode progredir para visão subnormal ou cegueira.

Causa do Mau Hálito

Alguns medicamentos que possam ser necessários para o tratamento do mau hálito podem provocar glaucoma de ângulo fechado. Por esse motivo é importante se informar a respeito do paciente ter glaucoma e que tipo: de ângulo aberto ou de ângulo fechado.

Intestino/Digestivo

Halitose de origem estomacal é comumente considerada, pelo paciente, a causa mais importante do problema. No entanto temos a considerar que se trata de uma impressão incorreta.

Existe uma infinidade de doenças gastro intestinais, e existem inúmeros sintomas dessas doenças, como:

  • Sangramento pelo reto.
  • Dor abdominal, com fortes cólicas.
  • Mudanças nos movimentos do intestino (diarréia contínua ou constipação), com fortes cólicas.
  • Febre alta, com outros sintomas.
  • Náusea e vômito prolongados.
  • Perda de peso juntamente com outros sintomas.

Causa do Mau Hálito

Mesmo que as estatísticas digam que 96% dos problemas de mau hálito são causados pela boca, existem ainda 4% que são causados por problemas gastro-intestinais. Todo problema intestinal que provoque prisão de ventre ou diarréia é causa potencial de halitose. Para qualquer um dos sintomas listados acima, isso pode significar um problema sério de saúde. Procure seu médico se você tiver qualquer histórico de alguns destes sintomas e não souber a causa.

Língua

A língua é o órgão muscular relacionado ao sentido do paladar que fica localizado na parte ventral da boca da maior parte dos animais vertebrados e que serve para "processar" os alimentos. Participa na formação dos fonemas da fala e é o único músculo voluntário do corpo humano que não fadiga.

O dorso da língua é revestido de papilas gustativas. Há quatro tipos de papilas gustativas: filiformes, fungiformes, valadas e foliadas. Atrás da parte oral da língua há de 3 à 14 papilas arranjadas em formato de V em frente ao sulcus terminalis (sulco terminal). Não há papilas linguais na parte de baixo da língua.

A língua apresenta características importantes que poderíamos dizer que a torna uma superfície relativamente retentiva. Ela deve ser observada em relação ao seu aspecto e deve-se indagar a respeito de alguma queixa na língua. Na língua podemos observar:

Candidíase – a Cândida albicans (um fungo) cresce na superfície da língua e da boca. Ocorre mais frequentemente em pessoas tomando esteróides, imunossupressores, diabéticos, muito jovens e muito velhos.

Câncer oral – úlcera lingual que aparece e cresce rapidamente. O câncer oral é mais comum em pessoas que fumam e / ou bebem álcool exageradamente.

Macroglossia (língua grande) – pode ser devido à várias causas. Estes tipos de macroglossia incluem congênita, inflamatória, traumática, cancerosa e causas metabólicas. Entre as causas de aumento da língua estão: doença da tireóide, linfangiomas e anormalidades congênitas.

Síndrome da ardência de boca / língua – é um problema relativamente comum. A língua arde ou a pessoa além disso tem paladar esquisito ou desenvolvem estas percepções. Aparentemente não se observa nenhum dano, a síndrome da ardência bucal pode ser causada por um leve problema nervoso.

Língua geográfica – aparecem na superfície lingual manchas esbranquiçadas e regiões mais vermelhas (despapiladas) que periodicamente mudam de lugar e de aparência. A língua geográfica não provoca dor.

Glossite atrófica – a língua é lisa e de textura edemaciada. Muitas vezes é devido a anemia ou deficiência de vitamina do complexo B.

Úlceras de aftas pequenas - muito doloridas e que aparecem periodicamente sobre a língua ou na boca. É relativamente comum e de causa desconhecida. Não são contagiosas e não estão relacionados com herpes.

Leucoplasia oral – manchas brancas que aparecem na língua que pode ser raspada. A leucoplasia pode ser benigna ou pode progredir para câncer oral.

Língua pilosa – as papilas podem crescer exageradamente à partir da língua, dando a ela uma aparência branca ou negra. O raspar as papilas corrige esta condição que é indolor.

Estomatite herpética – o herpes vírus pode de maneira incomum causar feridas na língua, embora usualmente ocorra nos lábios.

Líquen plano – uma condição indolor que afeta a pele ou a boca. A causa é desconhecida, contudo, acredita-se que seja causado pelo sistema imune atacando a pele e a boca.

Na língua também devemos considerar o aspecto retentivo de sua superfície devido à altura das papilas, fissuras, etc.

Além disso, precisamos pensar na possibilidade do paciente usar piercing, o que aumenta a retenção de microorganismos.

Os microorganismo que colonizam a superfície da língua formam o biofilme lingual conhecido como saburra lingual.

A saburra é uma placa bacteriana que se instala sobre a língua quando as condições do hospedeiro favorecem a aderência de microorganismos, muitos dos quais são patogênicos e também produtores de odores desagradáveis.

  • A saburra deve ser removida com o limpador lingual e em seguida tratada com gargarejo de enxaguante com características oxidantes como é o caso de enxaguante Halicare cujo princípio ativo é o dióxido de cloro.
  • A saburra precisa ser tratada do ponto de vista local (como acabamos de ver) mas muitas vezes também exige o tratamento sistêmico com antibióticos, aumento da salivação e redução da descamação além da fisiológica.

Com relação à saburra as estratégias de tratamento se baseiam em: reduzir a população microbiana, reduzir a disponibilidade de nutrientes, transformar os gases mau cheirosos que são voláteis (sulfidreto) em sais de enxofre não voláteis e tratamento local com limpeza da língua e uso de enxaguante.

Causa do Mau Hálito

Uma das principais causas do mau hálito é a falta de higiene da língua (presença de saburra) ou/e doenças relacionadas.

Fumo

O tabagismo é uma toxicomania caracterizada pela dependência física e psicológica do consumo de nicotina, substância presente no tabaco.

Segundo o Ministério da Saúde brasileiro, os cigarros contêm cerca de 4.720 substâncias tóxicas, sendo uma delas, a nicotina, responsável pela dependência.

De acordo com a Organização Pan-Americana da Saúde, o tabagismo é o responsável por cerca de 30% das mortes por cancro (câncer no Brasil), 90% das mortes por cancro do pulmão, 25% das mortes por doença coronariana, 85% das mortes por doença pulmonar obstrutiva crônica e 25% das mortes por derrame cerebral. Ainda de acordo com a OPAS, não existem níveis seguros de consumo do tabaco.

As doenças ocasionadas pelo consumo de tabaco matam três milhões de pessoas no mundo anualmente, com uma projeção estimada de óbitos em torno de 10 milhões até o ano 2020 - das quais 7 milhões ocorrerão nos países em desenvolvimento. Vale dizer que o tabagismo, hoje, mata mais que a soma das mortes por AIDS, cocaína, heroína, álcool, suicídios e acidentes de trânsito. As doenças causadas pelo tabaco são responsáveis por perdas econômicas de aproximadamente US$ 200 bilhões de dólares, no mundo.

Causa do Mau Hálito

O fumo causa mau hálito, PONTO!

Evitar ou diminuir o uso porque aumenta a descamação e, portanto a saburra. O Fumo aumenta as probabilidades em 10 vezes da incidência de doença periodontal e ao câncer bucal.

Doença Crônica

Uma Doença crônica é uma doença que não é resolvida num tempo curto, definido usualmente de três meses. As doenças crônicas são doenças que não põem em risco a vida da pessoa num prazo curto, logo não são emergências médicas. No entanto, elas podem ser extremamente sérias, e várias doenças crônicas, como por exemplo, certos tipos de câncer, causam morte certa. As doenças crônicas incluem também todas as condições em que um sintoma existe continuamente, e mesmo não pondo em risco a saúde física, são extremamente incomodativas levando ao comprometimento da qualidade de vida.

Muitas doenças crônicas são assimptomáticas ou quase assimptomáticas a maior parte do tempo, mas caracterizam-se por episódios agudos perigosos, como o Diabetes.

No caso da halitose devemos levar em conta: diabetes, doença cardiovascular, doença renal que exige hemodiálise.

Diabetes

Diabetes é uma doença metabólica caracterizada por um aumento anormal do açúcar ou glicose no sangue. A glicose é a principal fonte de energia do organismo, porém quando em excesso, pode trazer várias complicações à saúde. Quando não tratada adequadamente, causa doenças tais como: infarto do coração, derrame cerebral, insuficiência renal, problemas visuais e lesões de difícil cicatrização, dentre outras complicações. Embora ainda não haja uma cura definitiva para a/o diabetes (a palavra tanto pode ser feminina como masculina), há vários tratamentos disponíveis que, quando seguidos de forma regular, proporcionam saúde e qualidade de vida para o paciente portador. Atualmente, a Organização Mundial da Saúde estima que cerca de 240 milhões de pessoas sejam diabéticas em todo o mundo, o que significa que 6% da população tem diabetes. Segundo uma projeção internacional, a população de doentes diabéticos a nível mundial vai aumentar até 2025 em mais de 50%, para 380 milhões de pessoas a sofrerem desta doença crônica.

Se o paciente não sabe que é diabético e existir suspeita (sente a boca muito seca, bebe muita água, cansaço sem motivo, etc.) pode-se pedir uma glicemia de jejum (barata e simples de fazer).

Se houver confirmação da suspeita deve-se encaminhar para o endocrinologista.

Doenças Cardiovasculares

Doenças cardiovasculares são aquelas que afetam o sistema circulatório, ou seja, o coração. (cárdio = coração e vasculares = vasos sanguíneos, incluindo artérias, veias e vasos capilares).
Entre as mais comuns podemos referir o enfarte do miocárdio, a angina de peito, a aterosclerose, os AVC (acidente vascular cerebral), etc.

Entre as suas principais causas contam-se a vida sedentária, o consumo excessivo de alimentos ricos em gordura e sal, álcool (ainda que estudos demonstrem um efeito benéfico no consumo moderado de bebidas alcoólicas) e tabaco. Por conseqüência, a melhor prevenção consiste em fazer exercício físico, ter uma alimentação equilibrada, rica em frutas e legumes e não fumar.

Paciente com doença cardiovascular pode não ter condições de usar certos medicamentos, se for o caso de sua recomendação. Pode-se fazer a tentativa, com muito cuidado, e suspender se com as dosagens mais baixas houver desconforto para o paciente.

Doença Renal

A doença renal crônica exige tratamento com hemodiálise.

A hemodiálise é um tratamento que consiste na remoção do líquido e substâncias tóxicas do sangue com um rim artificial. É o processo de filtragem e depuração de substâncias indesejáveis do sangue como a creatinina e a uréia. A hemodiálise é uma terapia de substituição renal realizada em pacientes portadores de insuficiência renal crônica ou aguda, já que nesses casos o organismo não consegue eliminar tais substâncias devido à falência dos mecanismos excretores renais.

Nesses pacientes o mau hálito advém quando há alguma demora no procedimento de hemodiálise.

Causa do Mau Hálito

As doenças crônicas causam mau hálito. A melhor solução é a perfeita limpeza bucal com enxaguante e raspador para amenizar e controlar a halitose.